Quebrando o silêncio

A campanha Sombras do Parto é elaborada com base em relatos de parto que nos são voluntariamente enviados, para que seja reflexo das situações efectivamente vividas em Portugal. Partilha também o teu relato, enviando-o, com menção da data a que os acontecimentos se referem, para geral@associacaogravidezeparto.pt. Juntos vamos quebrar o silêncio em torno das experiências de nascimento em Portugal, para que cada vez mais estejam garantidas condições de respeito e dignidade durante a gravidez, parto e pós-parto.

Os destaques efetuados nos relatos de parto são da nossa responsabilidade.

Anúncios

One thought on “Quebrando o silêncio

  1. Quero deixar o meu testemunho sobre o meu parto no hospital Fernando da Fonseca ou Amadora Sintra como quiserem chamar.Eu infelizmente tive o meu filhote lá no verão de 2015 com 40 semanas e vivi lá a pior semana da minha vida a qual pelas piores razões nunca irei esquecer. Eles conseguiram estragar um dos momentos mais bonitos da minha vida o nascimento do meu filho.Naquele hospital os únicos partos naturais que acontecem são aqueles onde os bebés já vem meeeesmo prontos a sair, caso contrário todas as grávidas,TODAS vão para indução de parto(como se já não existisse a vontade da natureza e os nossos bebés tivessem de nascer a força na hora que os médicos entendem) Se tiverem a sorte do corpo reagir as porcarias que nos põe pela vagina acima para a dilatação, o parto acontece naturalmente o que é raro pelo que vi, senão,o que é mais certo, vai tudo para cesariana. Começa com uma ajudinha do relatório da última ecografia feita lá, que tem sempre uma palavrinha que pode servir de justificação para os procedimentos futuros,tipo liquido amniótico reduzido ou algo parecido. Segue-se então o internamento para indução,onde temos constantemente de fazer CTGs longuissimos que incomodam imenso as mães e os bebés e sucessivos toques dolorosos de todos os profissionais que estão no momento de serviço. Se dilatar tudo na boa,senão, depois de dois ou três dias deste sofrimento somos levadas, no meu caso a bruta,por uma auxiliar que me fez o toque,(sim era uma auxiliar e não uma enfermeira ou médica porque a bata era verde e eu não sou daltónica), e que do nada me apareceu a frente as 21 h estava eu pronta para descansar um pouco a dizer-me que ia lá para baixo imediatamente e nem me queria deixar ir a casa de banho antes de ir nem telef para o meu marido,chegou mesmo a arrancar-me o telef da mão que eu lhe arranquei de volta e telef. Fui levada as pressas para a sala de indução(ou sala de tortura que foi o que me fizeram) para acelerar o processo. Estive desde as 22 horas até as 10 da manhã do dia seguinte ali trancada a ter contracções horríveis durante umas boas horas. Eram contracções mesmo eu sei que eram( porque tinha tido meses antes um aborto espontâneo as 10 semanas e tive as contracções naturais do corpo a expulsar o bebé) e a enfermeira responsável por mim também sabia e não concordou com o que todos os outros “profissionais” que diziam que não e que era a máquina de CTG que não estava a funcionar bem e que a dilatação não era suficiente, até ao cúmulo de, sem me consultarem nem me explicarem o que iriam fazer,me rebentarem propositadamente a bolsa amniótica para por um fio na cabeça do meu filho porque alegadamente não ouviam bem o coração dele. Escusado será dizer que fiquei meio em pânico quando senti algo a escorrer entre pernas e perguntei indignada o que tinham acabado de fazer e ai é que me disseram mas o que estava feito já estava. Depois de estar longas horas em sofrimento com contracções e sucessivos toques, lá me deram algo no soro para acalmar a dor e as 10 da manhã uma médica entrou e disse (não a mim) que eu iria seguir para cesariana,eu é que tive de a questionar acerca daquela ordem senão nada ficaria a saber. Fui para cesariana por volta das quase 14 h e novamente sofri com as 4 tentativas horrivelmente dolorosas de epidural (porque não encontravam o sitio certo) e lá nasceu o meu filho que eu mal vi quando nasceu e só mo puseram junto de mim na maca para o meu recobro e para que eu o amamentasse mas sem me explicarem como se fazia. Depois disto tudo e durante os mais 4 dias que lá estive apenas um casal de enfermeiros me ensinou como amamentar o meu filho e foi no dia que ele nasceu já de madrugada quando me levantaram para andar e tomar banho ( como foi cesariana o corpo não está ainda pronto para amamentar,mal temos liquido quanto mais leite e os mamilos não estão prontos e é o meu primeiro filho eu não sabia bem como amamentar). De resto não houve ninguém que realmente me ensinass ou se preocupasse se eu estava a amamentar bem ou se sabia amamentar, num hospital que se diz baby friendly e que incentiva a amamentação. Por fim como o liquido que saia da minha mama provavelmente não estaria a ser suficiente e eu não sabia bem dar-lhe enfiaram-lhe pela goela abaixo uma mistela fria chamada NaN da Nestlé que lhe prendeu os intestinos completamente. O que se passou comigo passou-se com outras mães que eu vi,mas muitas acham tudo mto natural ou não querem saber. Tive uma colega de quarto que como também foi cesariana não tinha leite ainda na mama e o bebé chorava cheio de fome e ela estava cheia de dores da cirurgia e fui eu que tive de chamar uma enfermeira e dizer-lhe isto para que os ajudassem e lá trouxeram ao bebé aquele NaN e cuidaram das dores da pobre mulher senão ninguém daria por nada. A comida é horrível lá,não se come fruta fresca,não se comem legumes frescos é tudo fruta de lata ou maçã assada, legumes congelados (até a batata é pré-cozida) e peixe e carne da pior qualidade e tudo do mais barato que encontram, e dizem eles ser uma alimentação planeada por uma nutricionista o que é mentira porque só uma nutricionista carroceira dá fruta de lata e legumes congelados e de má qualidade a pessoas que estão a recuperar num hospital sobretudo a mães que precisam de se bem alimentar para terem bom leite. As casas de banho são limpas apenas uma vez por dia, e lá temos nós obrigatoriamente de as usar e tentar não pisar os inúmeros papeis ensanguentados que estão no chão, que caiem dos baldes já superlotados de pensos higiénicos e papéis e tentar aguentar de pé para não nos encostarmos as sanitas já sujas. É inevitável a sujidade,são dezenas de mulheres a sangrar que usam as casas de banho, devia haver higiene num hospital. Os cubículos de banho estão mtos entupidos ou não funcionam bem e a água sai e inunda o chão,etc,etc,etc. Como balanço de tudo, as coisas mais tristes disto tudo é o facto de os médicos não falarem para nós e sim de nós como se não ali estivéssemos, é um sem fim de falta de humanidade por parte de mtos profissionais sejam auxiliares, enfermeiros ou médicos num hospital que dizem ser um dos melhores no serviço de neonatologia.É mentira tudo isso é tudo políticas e sei lá mais o que. E ainda falta falar da assistente social (uma menina rica que não sabe sequer o que é a realidade da vida) que parecia uma cadela esfomeada atrás de todas as mães que eram solteiras ou pobres. Queria a força ter uma “conversinha” com elas. E mais uma coisa, não se pode ali questionar nenhum dos métodos usados ou sequer protestar mto porque alguém que nos oiça subtilmente nos diz para não o fazer porque podem querer chamar os serviços sociais para avaliar a nossa situação(que no meu caso sou pobre sim mas sou casada,tenho familia,casa e meios suficientes para criar o meu filho mto bem). No meu ver,no ver de algumas boas enfermeiras de lá(que entre expressões faciais e palavras soltas sabem que os procedimentos não são os mais correctos) e de mtas outras pessoas e profissionais com quem falei existe algum tipo de interesse em fazer cesarianas,em servir aquela comida horrível e em estender os internamentos, não seja o Amadora-Sintra um publico/privado. Esta realidade muitas mulheres sabem que existe mas que por isto ou por aquilo não querem falar. Os nossos bebés quando saudáveis,em gravidezes saudáveis tem o seu próprio tempo para nascer,não somos obrigadas a ter partos induzidos,a natureza sempre funcionou, por isso o porquê de querer acelerar tudo ??? É porque existe algum interesse económico? É porque já não se sabe respeitar a vontade das grávidas nem dos bebés ??? Que raio é esta pressa? Para quê acelerar uma coisa que mtas vezes aconteceria simplesmente sem mais nada? A minha gravidez foi super calma,feliz e saudável,o meu bebé era super saudável porque tive eu de ir para indução?? Porque me rebentaram a bolsa sem me consultarem antes? Porque tive uma cesariana sem me explicarem o porquê ? O meu bebé teria com certeza nascido de parto natural quando ele entendesse por isso porquê tudo isto? Um conselho: não aceitem ter a gravidez seguida lá,se puderem fiquem com os vossos médicos e enfermeiros de família ou com um obstetra privado se puderem pagar,e se por um acaso lá cairem não aceitem logo o relatório da última ecografia, peçam uma segunda opinião fora dali e não se sintam obrigadas a lá ficar,nem a terem o vosso parto induzido só porque sim,vocês e o vosso bebé têm o direito de escolher o vosso tempo e o hospital que quiserem. Mas não aceitem á primeira tudo o que vos disserem, questionem,peçam segundas opiniões,mas não deixem que vos estraguem um dos momentos mais lindos das vossas vidas. Obrigada por me lerem.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s