Foste vítima de Violência Obstétrica?

Responde às questões do inquérito abaixo, para avaliar se foste vítima de Violência Obstétrica. A seguir ao inquérito, encontras descrição de como poderás efectuar uma denúncia e/ou reclamação.

Enquanto estavas em trabalho de parto e internada no hospital ou clínica:

1 – Os profissionais de saúde fizeram comentários irónicos e/ou depreciativos sobre o teu comportamento?

2 – Trataram-te com alcunhas ou diminutivos (mamã, gordinha, mariquinhas) infantilizando-te como se fosses incapaz de compreender o processo pelo qual estavas a passar?

3 – Foste criticada por chorar ou gritar de dor?

4 – Foram realizados um ou mais dos seguintes procedimentos sem o teu consentimento e/ou sem te explicarem a necessidades dos mesmos?

Indicação para permanecer deitada

Rotura artificial da bolsa

Administração de oxitocina artificial para acelerar o parto

Toques vaginais feitos por várias pessoas

Compressão do abdómen no momento da expulsão

Episiotomia

Cesariana

Raspagem do útero sem anestesia

Outros procedimentos

5 – Em algum momento te obrigaram a estar deitada de barriga para cima sem razão aparente, quando manifestaste incómodo nessa posição?

6 – Sentiste que foi difícil manifestar os teus receios/inquietações porque não te respondiam ou se o faziam era de má vontade?

7 – Impediram a entrada ou permanência do teu acompanhante?

8 – Impediram-te de teres contato com o teu bebé à nascença sem uma explicação razoável?

9 – Depois do parto, sentiste que não tinhas estado à altura do que era esperado de ti, ou que não tinhas “colaborado”?

10 – Dirias que a tua experiência e cuidados recebidos (ou não) durante o parto te fizeram sentir vulnerável, culpada e insegura?

Se respondeste que sim a qualquer uma destas perguntas, podes ter sido vítima de Violência Obstétrica. Consulta este documento para saber o que podes fazer e descarrega esta minuta para requeres o teu processo clínico, caso seja necessária, de acordo com o indicado no documento anterior. Podes também ir a Birth Advisor  partilhar a tua avaliação do serviço de assistência ao parto que te foi prestado e assim ajudar outras famílias nas suas escolhas.

Violência Obstétrica é a violência institucional exercida sobre as mulheres no contexto da assistência à gravidez, parto e pós-parto. Inclui: recusa de tratamento, negligência em relação às necessidades e dor da mulher, humilhações verbais, violência física, práticas invasivas, uso desnecessário de medicação, intervenções médicas forçadas e não consentidas, desumanização ou tratamento rude.

A Organização Mundial de Saúde declarou recentemente:

“Num parto normal, deverá haver uma razão válida para interferir com o processo natural em curso. O objectivo dos cuidados é assegurar a saúde da mãe e do bebé com o mínimo nível possível de intervenção compatível com a segurança.”

Práticas que devem ser abolidas (num parto normal), de acordo com a Organização Mundial de Saúde:

Rapar os pelos púbicos

Aplicação de clister para esvaziar os intestinos

Monitorização fetal electrónica

Impedir a mulher de comer ou beber

Dizer à mulher que sustenha a respiração e faça força, durante a segunda fase do parto (em vez de deixar ao critério da mulher)

Alargar ou interferir com a entrada da vagina quando o bebé está a nascer

Episiotomia

Levar o bebé para longe da mãe, depois do nascimento

Obrigar a mulher a deitar-se de costas durante o parto ou nascimento

[Traduzido do artigo Violence Against Women, na entrada acerca de Obstetric Violence, Wikipedia]

Consulta aqui a declaração da OMS acerca da Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde

 

Anúncios

15 thoughts on “Foste vítima de Violência Obstétrica?

    1. Diana, lamentamos saber isso. Estamos a trabalhar para que situações de violência obstétrica deixem de acontecer. Alguma coisa de que necessite, não hesite em contactar. Abraço. A equipa da APDMGP

      Gostar

  1. Lendo estes pontos … infelizmente vejo que fui vitima de Violência Obstétrica e ainda á pouco li um testemunho no qual me identifico, pois estou grávida e desde algum tempo para cá estou mais preocupada com o parto do que com o resto da gravidez, por ter sido tão doloroso, tão traumático.

    Não falo apenas por mim mas por todas as mamãs e grávidas Portuguesas .. Um muito obrigada pelo vosso trabalho e empenho neste grande problema que infelizmente nenhuma de nós deveria passar por ser supostamente ”um dos dias mais felizes da nossa vida”.

    muito obrigada

    Gostar

    1. Obrigada, Sara, pelas palavras de reconhecimento e incentivo em relação ao trabalho da APDMGP. Estamos à disposição, caso sinta que podemos de alguma forma ajudá-la e desejamos-lhe uma gravidez e parto serenos e respeitados. Caso queira fazer-se sócia ou de alguma outra forma participar do trabalho da APDMGP, veja como poderá fazê-lo em http://www.associacaogravidezeparto.pt/

      Gostar

  2. Muito obrigado por existirem e parabéns pelo vosso trabalho. Vivi por duas vezes algumas das situações acima escritas. Da primeira vez indusiram o parto e depois teve de ser cesariana, na segunda gravidez fui com a cesariana marcada e um médico que nunca me tinha visto e uma enfermeira que só quer subir na vida decidiram provocar o parto. O que é serto é que fiquei sozinha num quarto e o meu marido na sala de espera.
    Quando as aguas rebentaram ainda fui gozada pela mesma enfermeira. Quando fui transferida para o quarto de partos e a médica anestesista chegou ( que para minha sorte tinha sido ela a me atender na consulta de anestesia ) e ja nao me deixou sozinha e ficou comigo ate ao fim. Mas por culpa desse médico eu tive de levar anestesia geral ( nao vi o meu bebe a nascer) e o meu lindo bebé teve de ser reanimado. Ele nasceu em 13 min. Nao acho normal e nao desejo nada disto a nenhuma mulher. O nascimento dos nossos filhos deve e tem de ser o melhor momento da nossa vida.
    Mais uma vez parabéns pelo vosso trabalho. Assim sabemos que nao estamos sozinhas.

    Gostar

  3. Boa tarde

    Não tenho dúvidas de que fui vitima de violência obstetrícia!!!!!! tive uma gravidez maravilhosa que teve um desfecho triste, apesar o meu filho ter nascido bem e sem nenhum problema. O parto foi muito violento fui manda calar aos gritos, porque era ” fraquinha e má parideira”, sofri muito mesmo com epidural, pois estiveram em cima de mim e pensei sempre que ia morrer, de tanta força que fizeram. Acelaram o parto, mesmo sabendo que tinha um prolapso na valvula mitral, o meu coração quando administraram a medicação ficou a bater a mil, mas o parteiro disse para respirar fundo que passava.Fizeram-me o toque mesmo antes da epidural ter feito efeito. Não me deixaram fazer tudo o que tinha aprendido nas aulas de preparação para o parto e o meu filho nasceu depois de duas tentativas de ventosa, nasceu a pás, algo que no meu entender nunca deveria ter sucedido, e só sucedeu porque o parteiro que fez todo este trabalho era desumano, pois o meu filho deveria ter nascido de cesariana. Não desejo isto a ninguém e a única coisa que compensa tudo isto é ter um marido maravilhoso que me apoiou, mas que ainda hoje está traumatizado com o parto, assim como um filho maravilhoso. Ninguém deveria passar por isto em pleno século XXI. Obrigada pelo vosso trabalho e pelo apoio e pelas vossas palavras.

    Gostar

  4. É considerado violência obstétrica quando o bebê sai da mãe e lhe é retirado sem ter contacto pele a pele mas estando o bebê ao lado da mãe para ser limpo e posto no quente e só passado uma hora ter o bebê não braços? E nesse período de tempo o bebê não ter mamado na mama da mãe e sim terem lhe dado suplemento sem pedir autorização e ou informar a mãe de tal situação?

    Gostar

  5. Sinto me vítima de violência obstétrica, revejo me em muitos pontos dos acima mencionados e ainda hoje, passado 3 meses me encontro em terapia para tentar voltar a normalidade.
    O parto foi de uma violência tremenda, Q me tirou qualquer vontade de voltar a ser mãe e eu Q sempre disse Q N daria a um filho a tristeza de ser filho único!
    E no final, ainda me foi dito Q a culpa foi minha, Q tenho tecidos de má qualidade!!!
    Como se isso justificasse o uso de fórceps, ventosas (entre muitas outras coisas) e tudo pq a médica se esqueceu que nas ecografias o bebê estava de cara para cima, o Q impossibilita um parto natural e Q mesmo depois de saber do erro continuou o “excelente trabalho”, colocando em risco a minha vida e do meu filho.
    Neste século já ninguém
    deveria ter Q passar por uma violência destas.
    Hoje, so me preocupo em voltar a
    ser eu e poder desfrutar do meu filho e do meu marido.
    Continuem o bom trabalho e obrigada por apoiarem esta causa tão negligenciada.

    Gostar

  6. Infelizmente também tive uma experiência bastante dolorosa no parto.. Foi induzido as 41 semanas e 2 dias mas infelizmente nada pegava.. O meu corpo e bebe não pareciam querer sair.. Fizeram me vezes sem conta os toques dolorosos e nada.. Inclusive pedi que parasse porque me estava a doer muito e nem por me ver aos gritos a pedir para parar ele parou.. Senti me quase que violada a frente do meu marido 😦 foi tão ma a experiência que nem consigo ir ao ginecologista neste momento.. Quero pensar em ter outro filho mas estou tão ansiosa com o parto que gostava de saber que opções tenho.. Uma delas sei que e cesariana no privado.. Mas cesariana tem outros aspetos negativos de que falam.. Portanto estou sem saber o que fazer .. Obrigada por lutarem por causas como a minha.. E triste

    Gostar

  7. Foi a 8 de Julho 2015 na Maternidade Bissaya Barreto!!! Entrei a 7 de Julho e o meu filho nasceu a 8 de Julho por volta da 13.00 foram 30 horas de trabalho de parto mais coisa menos coisa!! A ser constantemente mexida é invadida por várias mãos e vários turnos !!! Fizeram me a tal manobra dos cotovelos nas costelas o meu companheiro teve de sair apesar de não querer!!! Fizeram me sentir culpada porque segundo anormal da Médica se é que se lhe pode chamar assim não estava a fazer força no sítio certo é assim tinha de ir pescar o bebe!!! Depois de tudo isto o bebe foi tirado a ventosas!!! Rasgaram o quanto quiseram tive algum tempo a ser cosida!! Fiquei com incontinência urinária!! O bebe nasceu com displasia do ombro e bradicardiA! A cardiologista pediátrica teve de se deslocar a maternidade para observar o meu filho! Tivemos de ir a uma consulta tempos depois! Graças a Deus tudo regularizou! Em relação ao ombro andou a ser acompanhado no hospital Garcia da horta por uma fisioterapeuta! Está a melhorar! Eu fiquei com um trauma para toda a vida perdi o cabelo todo na parte da frente ou seja fiquei lindíssima como devem calcular é só agora um ano depois voltou ao normal!! Desculpem o testamento mas quero mesmo deixar este testemunho para que mais ninguém passe o que eu passei!!! Não fizeram cesariana por causa dos custo que isso implica e puseram me em rico a mim e ao bebê!!! Maternidade Bissaya Barreto dia 8 de Julho 2015!!! devia ser uma memória linda e não um trauma para toda a vida!! Anabela Rato

    Gostar

    1. Levaram-me para uma sala do 2 piso com os estagiários, mandaram-me subir para uma marquesa típica de por os pés enorme, sem me ajudarem, eles eram 10, fizeram-me um toque horrível viraram costas e deixaram-me sozinha a deitar sangue!! Saí de lá sozinha, e quase a desmaiar quando vi tanto sangue….isto em 17 horas foi uma introdução….no instituto maternal bissaya barreto!!!! Coimbra!

      Gostar

  8. Passei por tudo isso tenho trauma até hoje , e por isso q nunca mais quero ter filhos .. medo
    E fora a dizerem q na hora q tava a fazer o amor n reclamei q então teria de m aguentar ali , eu farta de fazer força e dizerem q eu n estava a colaborar e subir montes de gente encima de mim com os braços a apertarem minha barriga .. tenho medo espero nunca mais engravidar 😖😖😖

    Gostar

  9. Ola sou mãe de primeira viagem e sofri com algumas enfermeiras. O meu parto foi provocado por causa da minha saúde e tive dois dias no hospital enternada, no primeiro dia havia uma enfermeira que não me deixava fazer nada sem ser estar deitada desconfortável, eu pedia pra ir ao WC e ela era a única que recusava deixar me, ao tirar me sangue para analises não fez um bom trabalho e fiquei a largar sangue. No dia seguinte uma enfermeira chegou para fazer o toque e forçou e rebentou me as aguas sem me avisar. O meu parto correu bem e rápido tive sorte mas no momento de me darem os pontos a parteira queria cozer me a sangue frio tive de a impedir e exigir anestecia local.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s